terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pérolas do Gui...

Gosto de registar ( registrar) aqui algumas coisas que o Gui vai dizendo, para mais tarde recordar...

Estando com o pai de uma amiga:
" Senhor, onde está a sua marida?" 

Estando em Espanha, e querendo comer as famosas batatas bravas:
" Pai, podias pedir batatas zangadas?" 

Eu perguntei se ele era o meu bebê:
" Claro que não, não vês que já sou homi, tenho barba"  ( apontando para suas pequenas patilhas)


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Nova etapa

E pronto, o Gui vai para o 1º ano do 1º ciclo.
As aulas começaram.

Mais um passo longe de mim, outro mundo que se abre.
Sinto que com ele tudo passa mais rápido... Depois penso na Pipa e vejo que ela está no 4º ano e já tem um ar de pré-adolescente, concluo que a velocidade aí também foi aplicada.
Dá um medo dessa tal velocidade. Adoro vê-los crescer, mas queria que fosse como uma cassete, que pudesse ser de vez em quando rebobinada ( e nessa frase deixo claro a minha avançada idade), queria reviver momentos. Talvez por isso minha obsessão com registar tudo, fotografar tudo, organizar de maneira que eu consiga reter ao máximo isso que é ser mãe.
Quero tantas coisas para eles... que sejam boas pessoas e que convivam com boas pessoas, que descubram o que gostem e sejam bons naquilo que gostem, que sejam justos, dignos, amigos. Que sejam alegres, com ganas de viver, que sonhem e que alguns dos sonhos se realizem. Que nunca lhes falte dinheiro, mas que tampouco sobeje , é importante o dinheiro não ser importante. Que se sintam felizes com eles mesmos, descomplexados, saibam no que são bons e no que são maus, sem grandes traumas, que saibam rir de si mesmo e que não se levem muito à sério, pois tudo nessa vida é fulgaz.
Que olhem para trás, assim como eu e o pai dele podemos fazer, e vejam a quantidade de amigos queridos que temos e que ainda vamos fazendo nessa vida.
Que durmam tranquilos todas as noites e acordem cheios de energia para viver a vida, todos os dias, até o fim!
E querer tudo isso, não é querer pouco...

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Enxaqueca Oftalmológica

Há mais ou menos um mês tive uma situação muito estranha.
Estava no trabalho olhando para o computador e começaram a aparecer uns pontos no meu campo de visão, os pontos foram aumentando e a minha visão foi ficando turva, no meio dessa visão começaram a aparecer uns brilhos, como quando olhamos para um foco de luz e ficamos com aquela impressão na visão, mas não sumia, fiquei quase uns 20 minutos com a visão a piorar, até ficar com uma visão mesmo turva.
A visão voltou, fiquei feliz, mas foi sol de pouca dura, pois uma dor de cabeça que eu nunca tive na vida surgiu... horrível. Durou todo o episódio quase 1 hora... e passou ( claro que quando comecei a ter dor de cabeça tomei um ben-u-ron). Infelizmente esse quadro repetiu nesse mesmo dia.
Como estava a fazer uma dieta e aquele era o 3º dia julgamos que poderia ser uma crise de hipoglicemia e deixámos para lá ( bela desculpa para voltar a comer!).
Depois de uns vinte dias tive novamente essa situação, mas estava sozinha no trabalho, me mediquei e aquilo passou- ignorei.
Ontem estava no trabalho, escrevendo no computador e as pintinhas voltaram... Fiquei em pânico... vai começar... a visão começou piorar e eu nem esperei, já tomei um remédio e quando a visão voltou, acompanhada de uma enxaqueca, eu já estava medicada, o que ajudou, mas a dor ainda era grande.
Marquei um oftalmologista para ontem mesmo , tive sorte, consegui uma consulta, e fui.
O J. que estava impressionado com o quadro e já pensava o pior, quis ir comigo.
Quando cheguei na consulta e comecei a explicar, o médico nem me deixou terminar de explicar e já previu a história que eu contaria... é comum.Chama-se enxaqueca oftalmológica.
Perda de visão seguida de uma brutal dor de cabeça! É isso que a idade me trouxe.
Razões e por quês? Há muitos e não há nenhum...É conviver, é perceber a hora certa de tomar o remédio, mais nada...
Já é a segunda vez que vou a uma consulta e descubro que o que eu tenho não é grave, parte positiva, mas que também não tem solução, menos positivo...
Enfim... a idade!

domingo, 10 de setembro de 2017

Semi-frio de chocolate...

Essa receita foi tirada do livro do Gordon Ramsay e eu mudei uns detalhes...
A original é essa aqui. E a minha quase cópia é assim:

Precisamos de:
400 ml de natas ( creme de leite);
300 grs de chocolate 70% cacau;
150 grs. de avelãs levemente trituradas e torradas;
3 ovos inteiros;
100 grs. de açúcar;

Levamos o chocolate a derreter em banho-maria e depois de derretido deixamos esfriar a temperatura ambiente

Entretanto batemos os ovos com o açúcar até que forme uma massa grande e fofa! Reservamos a mistura.

Depois batemos as natas e, para que elas cresçam e formem essa massa fofa com " picos" , a batedeira deve estar imaculadamente limpa e muito seca. Eu costumo depois de lavar, secar muito bem e passar um papel com álcool e deixar evaporar.
Convém também que as natas estejam geladinhas!

Depois e só misturar tudo, docemente, devagar, o chocolate derretido, as natas, as avelãs e a mistura dos ovos com o açúcar.


Mexemos bem devagar "dobrando" a massa, para que continue com muito ar na mistura, que ela continue fofa!



Fica tudo muito bem incorporado.

Forramos com plástico aderente uma forma de bolo inglés...

Colocamos a mistura na forma e a forma no congelador por no mínimo umas três horas.

Reservamos um punhado das avelãs para que, depois de desenformado decorem o semi-frio.
Eu ainda não consegui forrar a forma de maneira uniforme, assim, o meu semi -frio sempre fica com essas " ruguinhas"...
Mas acho que dá um ar rústico engraçado... e ninguém ainda reclamou!

domingo, 3 de setembro de 2017

E mais um verão em Aymonte...

Muita gente fica admirada com a nossa capacidade de ir sempre para o mesmo lugar.
Muita gente que está nesse "mesmo lugar" fica admirado de que quando lá estamos pouco nos movemos. Queremos e ficamos sempre lá nesse "mesmo lugar".
É que comparativamente aos dias do ano, a quantidade de dias que ficamos na Isla Canela-Aymonte é muito pequenina, e ainda não terminamos de matar a saudade e já está na hora de voltar.
Foi assim mais uma vez. ADORAMOS mais uma vez.
As crianças já começam a ficar impacientes, o Gui não é fã nº 1 da ideia de ir para praia ( só da ideia, porque uma vez ali, aproveita muito), a Pipa já não fica satisfeita apenas com a nossa companhia, quer gente da sua idade, o que eu entendo, mas tento fazer com que ela perceba que esses são "os nossos dias".
Encontrei tudo como eu deixei da última vez... quase tudo igual. Conhecemos mais dois novos restaurantes que vieram aumentar a lista das nossas capelinhas...
Todas as comidinhas que eu levei foram um sucesso e uma facilidade.
Deu para tudo, nadar, andar, descansar, entrar em contacto com velhos amigos, me irritar, limpar e arrumar, comer... Tempo que só as férias nos proporcionam...E eu aproveitei... sem parar!
Obrigada vida, por mais um verão impecável!
Condomínio Canela Park

Isla Canela

Corrida!

Bolas de "berlinde"

Merkajamón

Isla Canela

Mojamas

Isla Canela

Cinema ao ar livre- Isla Canela

Zoo de Ayamonte

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Finalmente já sei que ela sabe...

Ontem estávamos a almoçar e a ver um filme... numa cena mais "picante" ( nada demais, apenas uns beijinhos) a Filipa sai com essa:

" Quando olho para meus amigos e depois olho para os pais deles, fico com nojo de imaginar que eles tiveram que fazer aquilo para ter o meu amigo..."

Bem, eu olho para o J. e sem rir perguntamos o que era "aquilo" .

E ela responde:

" Aquilo, aquilo que vocês tiveram que fazer par ter a mim e o Gui! Vocês sabem..."

Pronto, ok. Já entendi.

E já agora,amigos meus, que tem filhos amigos da Pipa... sintam-se observados!




quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Estamos sempre por ali!

Eu já me habituei a conversar com outras pessoas sem olhar para elas, pois, num lugar aberto, sempre estou "de olho" nas crianças. Nas minhas, nas dos meus amigos, estou sempre a contá-los, como fazia quando era au-pair nos EUA...one-three-four (eu cuidava de quatro meninos).
Gui e Pipa comprando gelado
sem imaginar a nossa presença!
Hoje olho para os meus e tenho a sensação de que quando tiro os olhos eles se perdem... Não param!
Já há dois verões que quando estamos na Isla Canela, no Barriles, que é um bar com uma esplanada na rua, as crianças pedem para ir sozinhas comprar um gelado... nós fingimos que deixamos, mas sempre andamos atrás deles, seguindo cada movimento... Depois de serem servidos e terem o troco, corremos para a mesa e fazemos cara de surpresa/orgulho quando voltam com seus gelados e com o troco... Mas sempre estamos ali... e que dure muito!