terça-feira, 4 de julho de 2017

E acaba uma fase...

Este mês de Junho foi um sufoco, do começo ao fim. Ensaios, fantasias, apresentações finais, aniversários, excursões tudo, tudo se deu.
Fiz um esforço para não me esquecer de nada, para chegar sempre a tempo, para não falhar.
Último evento foi a festa de fim de ano, junto com a despedida do Gui da pré-escola.
É impossível não cair no clichê habitual- Passou a voar!

Lembro quando a Pipa fez dois anos e colocamos ela na pré-escola... Lembro da emoção, do que senti, do frio na barriga, alguma culpa... Do Gui... não lembro nada.
Nada, não lembro como foi o primeiro dia, muito menos do que eu senti...Só lembro dele estar lá e ter sido feliz- o que me completa e me basta!
Com o Gui não houve 1/5 das ansiedades, nem de aprendizagem, nem de adaptação. Nunca nos esforçamos com ele como nos esforçamos com a Pipa para ensinar, acompanhar, nada ( Meu Deus, isso pode ser usado contra mim no futuro!), ele foi crescendo, se adaptando, aprendendo e evoluindo.
E sem grandes esforços, se tornou num menino espertalhão, malandro, cheio de vida.
A pré-escola correu tão bem que sinto que foram dois dias... mas lá vão 4 anos, 4 perfeitos anos que fechamos com chave de ouro, numa apresentação muito bonita e cheia de ternura!
O amor que eu tenho por esse menino é sem dúvida infinito. Adoro meu Guilherme com todas as minhas forças!
Parabéns meu gatinho! Morremos de orgulho de você!


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Fator surpresa...

Ontem liga  a mãe do "namorado" da Pipa e nos convida para ir ao cinema...
Fomos...
Eu, Pipa, Gui, mãe do namorado, namorado e outro amigo.
Entrámos, sentámos e quando apagaram-se as luzes o Gui pergunta muito alto:

" O mãe! Que filme é que viemos ver? " 

E eu respondo:
" Capitão Cueca" 

Gui:
" Ah, ok" 

E é assim, aquela despreocupação infantil, digo vamos e eles vêm... Logo se vê para que!


terça-feira, 13 de junho de 2017

Feira do Livro 2017...

Gosto sempre de dar uma volta na Feira do Livro, sempre acabo por comprar alguma coisa  e gosto de ver tudo.

Honestamente acho o lugar um pouco difícil, é no Parque Eduardo VII , e acaba sendo uma ladeira, que torna muitas vezes impossível para mim ir e vir com facilidade. Quero dizer, se já vi algo numa ponta da feira e não comprei, é muito improvável que eu volte a me aventurar para buscar a dita coisa. Acho que perdem imensa venda com  a falta de comodidade que o local proporciona.
Mas isso sou eu...
A razão do post é para registar aqui os livros infantis, alguns comprei nessa visita, outros, que venho comprando, que eu decidi que nunca vão embora daqui de casa, ficarão aqui para sempre, e que vou um dia ler para os meus netos... Cá vão:


 Um livro sobre as pessoas a fugir da guerra, tema infelizmente tão actual, linda ilustração.
Pesado, mas necessário. Kalandraka

Giro, giro, uma menina engraçada que quer um cão!
Kalandraka


Adoro, esse nem sei como surgiu, se compramos, se ganharam, uma história divertida! Dinalivros


Sobre tipos de cocós!  Kalandraka


Um livro doce, linda ilustração. Livros Horizonte

Adoro, fala sobre o sobre esforço da mães em casa...Kalandraka

Lindo, com cadência, linda ilustração. Kalandraka

Na onda do anterior, lindo demais. Kalandraka

História bonita, amo as ilustrações... Mini Orfeu

Um super clássico, ilustração nota 1000...


Adoro, dou risada sempre que leio, adoro o Cuquedo,adoro a cara dos animais... Livros Horizonte


Linda ilustração, linda história...
Mini Orfeu


Outro clássico, comprei na feira o ano passado com a capa numa versão " lenticular" , que é daquelas que mexe, mostrando a metamorfose da lagartinha- Kalandraka.





Resumindo- amo os livros da Kalandraka.Compraria todos se pudesse...  Adoro livros de crianças e estimo muito os nossos... Serão sempre uma doce lembrança da infância.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Relativizar...

O Gui anda com uma alergia enorme... Vive com os olhos inchados... tadinho.
Há dois dias até achei melhor ficar em casa, faltar as aulas e melhorar aqueles olhinhos...
Bem nesse mesmo dia, eu estava no trabalho e ligam da escola da Pipa a dizer que ela estava com dores de cabeça... E eu fiquei sem saber,era mesmo uma forte dor? Era para eu ir buscar, ou era apenas para eu dar permissão para lhe darem um remédio?
A senhora que me ligou disse que dariam o remédio, mas que que quando eu pudesse eu fosse buscar...
Claro que não sosseguei, tentei trabalhar, mas a minha chefe quase ordenou que eu fosse buscar a menina... E eu fui.
Cheguei na escola um pouco tensa, somando com as alergias do Gui, o filme  na minha cabeça já era de uma virose fatal...
A professora aparece, com muita "cara de caso",  com aquele ar "precisamos falar".
Eu suspiro com preocupação, e me preparo para a notícia...
E a professora explica: 

" Mãe, houve um  mal entendido, a Filipa tem uma leve dor de cabeça, já está medicada, e está ótima, não era para vir buscá-la, explicaram mal"

E eu começo a rir, a professora, meio atrapalhada me pergunta se eu não estou zangada.
E eu respondo:

" Claro que foi um incômodo me fazer sair do trabalho, amanhã terei que ficar um pouco mais, mas entre isso e a Filipa estar doente, fico com o mal entendido de bom grado!"  

Me irritou um pouco? Claro que sim, mas na vida é preciso relativizar!

terça-feira, 30 de maio de 2017

As viagens e a vida...

Eu nasci e cresci ( não muito), numa cidade do interior de São Paulo.Onde as pessoas do mesmo grupo acabam crescendo juntas.
Tenho amigas que são da infância e que hoje tem a sorte de criar os filhos no mesmo registro.
Por muitos anos nunca imaginei que faria um percurso que acabaria por me levar para tão longe da minha cidade, mas acabei por vir parar em Lisboa, onde já vivo há 15 anos...
Enfim, longa história.
Mas, muito antes disso tudo, quando terminei a faculdade, já há uns 22 anos ( hor-ror!), eu e uma amiga fizemos uma viagem pela Europa, de mochila as costas e nós viajamos livres, leves  e soltas, por muitos países, de trem, de lá pra cá, de cá pra lá ( ainda faço um post contando essa epopeia).
Essa viagem de dois meses, operou uma grande mudança na minha pessoa, nesses dois meses eu posso dizer que me tornei apta a entender a diferença.
Nada como viajar, nada como sair daquilo que é o ¨normal¨ e embarcar no desconhecido.
Ver novas pessoas, provar novos sabores, pensar a vida diferente daquilo que sempre pensamos, pois fui descobrindo que dá para ser diferente!
Por isso, deixo aqui um apelo, uma dica, vá, um conselho:

¨Quando forem viajar, abram-se para o novo, explorem, aprendam, vejam as coisas sem preconceito, entendam que estão num mundo diferente, portanto é normal que tudo seja diferente, a comida, os hábitos, a maneira de pensar. Deixem de fazer comparações do estilo ¨Mas no Brasil é assim...¨ Não importa como é no Brasil, as culturas mudam dentro do próprio país não haveriam de mudar num país diferente?  Preparem-se para a aventura do novo!
E nem adianta pensar se é melhor ou pior, as coisas são como são, uma viagem dura alguns dias, quando voltarem o mesmo estará esperando, o arroz, o feijão, o chopp tirado assim  ou assado, a picanha, a descontração, tudo estará lá., igualzinho vocês deixaram. Não sintam saudades de algo que logo vai voltar a ser vosso, curtam ao máximo a experiência que uma viagem proporciona. Voltem mais ricos, com uma vivência maior, uma receita, uma maneira de ver a vida. Tentem trazer um bocadinho da experiência convosco... eu considero que é isso que nos torna mais interessantes- sermos capazes de captar a diferença, incorporá-la e crescermos. Além de mais interessantes, nos tornamos mais tolerantes. ¨

E só mais uma coisinha, muitas vezes nem é preciso viajar, basta muitas vezes sentar com alguém com uma experiência de vida super diferente da sua, e ouvir, pode ser uma pessoa bem mais velha, uma pessoa de em estrato social diferente, alguém que já passou por uma doença, um divórcio, uma perda, saber ouvir, gravar tudo, fazer um filme mental, torna tudo mais enriquecedor.
Eu acho, mas vai saber, né?

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Amãezónia....

Há uns dias a Santasogra me ofereceu um livro... A capa já me fez rir:



A parte de trás do livro fez eu entender a razão da minha sogrinha ter achado que o livro foi feito para mim...
 Ainda não comecei a ler... quero terminar um que ja comecei... mas parece interessante, não é?

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Arty Toys


E pronto, de repente fui me apaixonando por uns bonecos do Gui e agora tem sido uma loucura!
Numa loja da Av. de Roma, a Edicare, há uns bonecos para colecionar da Djeco, os  ¨Arty Toys¨.
Como o meu filho gosta mesmo de brincar com bonecos, e fica mesmo horas nessa brincadeira, comecei a comprar e também a oferecer aos amigos dele esses bonequinhos.
Eu não acho caros, por volta de 8,90€, acaba sendo uma prenda que agrada os meninos...
Estamos apaixonados!
E alguns deles o Gui recebeu de prenda!


Brutus

Klute e Ze Arbatete

Sam Parrot Pirate


King Drake Knight
Tenebro Knight
Magma Superheroe

Goran Knight

Galim Knight



Skully Knight