terça-feira, 21 de novembro de 2017

Sobre a ansiedade...

Sempre fui ansiosa, sou precavida, gosto de certezas, confirmações.
Quero sempre me antecipar, acredito piamente em todos os ditados do estilo "Deus ajuda quem cedo madrugada"...
Mas tenho tentado aprender a me conter e felizmente acho que a idade está me dando uma capacidade um pouco maior de controlo, considerando que ainda estou anos luz de ser uma pessoa tranquila.
Uma característica que encontro muito frequentemente nas pessoas em Portugal ( minha sensação) é a uma certa ansiedade.
Domingo, estava eu no supermercado, numa boa, sem grandes pressa, na fila para pagar minhas compras... vejo se aproximar a típica ansiosa de plantão: senhora, dos seus 60 e muitos anos, com pouca compra, vem em passo ligeiro... Mal... Chega e como se estivesse a perder um comboio começa a colocar suas compras na esteira, e ainda minhas compras não tinham começado a ser passadas. Começam a passar as minhas compras e a senhora, já de cartão em punho, ao invés de estar com as suas compras, do lado da esteira, já está ao meu lado...Nem é preciso dizer que paguei com ela coladinha a mim... Deu -me vontade de perguntar se ela iria pagar a minha fatura, pois juro, visto de fora, deveria parecer que estávamos juntas... mas depois pensei que ela não fazia por mal, e poderia magoá-la, apenas por irritação.De certeza que era uma boa pessoa, assolada pela tal ansiedade.
Assim, para ser construtiva e não apenas uma pessoa irritada ( como disse ainda falta muito para eu ser simplesmente "normal"), tento aprender com essas atitudes que considero bem chatinhas das outras pessoas... É duro manter a calma, mas talvez eu consiga melhorar!

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

El Corte Inglés- como terapia

Não me considero uma pessoa ambiciosa. Quando faço aquela coisa que toda a gente faz, que é imaginar o que faria se ganhasse o Euro milhões, juro que pelo menos nesse exercício, meu pensamento é quase sempre ajudar um monte de gente.
Eu gosto de onde vivo, gosto do carro que tenho, como o que me apetece, tenho mais roupa do que preciso... enfim, no plano material sonho pouco... Sou feliz com que vou tendo.
Mas, se eu me tornasse rica, eu sei o que mudaria na minha vida num primeiro momento...eu  iria ao El Corte Inglés fazer todas as minhas compras, sempre.
Adoro!
Para mim é um lugar de sonho, como deve ser a kidzania para as crianças.
Entro no ECI e começo ver tudo bonito, gente bonita a gastar dinheiro, gente bem vestida, funcionários bonitos, que fingem muito bem o prazer em nos ajudar. Vejo coisas desejáveis, muitas, muitas que eu gostava de poder comprar... faz parte do sonho. Vejo novidades, tudo arrumadinho...Uma delícia!
Parece que entro no mundo onde tudo é uma alegria. Sei lá, eu fico alegre!
Depois aquilo sempre me remete para Espanha, lugar que estou sempre com saudades.
Vou ao supermercado, onde posso sempre gastar uns poucos eurinhos, trago uma embalagem de  presunto e umas 200 gramas de um queijo diferente e já me sinto pronta para começar mais uma semana.
Tem gente que para recarregar as baterias gosta de olhar para o mar, tem gente que gosta de caminhar nas montanhas, tem gente que gosta de uma esplanada...Eu assumo que para mim nada é mais renovador que bater uma boa perna no El Corte Inglés, é fútil eu sei, mas nada na vida me deixa tão feliz.
E felicidade não tem grandes explicações...AMO O ECI!!!!!!!!!!!

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Os dias eram assim... amor que não se exige...

Fazia tempo que eu não desfrutava tanto de uma série da Globo como tenho desfrutado dessa- "Os dias eram assim", muito legal, bem feita, com actores mesmo bem escolhidos, que encaixam muito bem no seu papel.
O começo da série foi mais pesado, mais histórico, mais "de dar o que pensar", agora já está mais soft, mais histórias de relação, que eu também gosto, confesso que sim.
E a ideia aqui não é falar da série em si, mas sobre essa coisa estranha de gostar de alguém.
A base da série é a história de amor entre um casal, a Alice e o Renato, que por causa do envolvimento da família do Renato com a ditadura, e da família da Alice com os militares, fica a parecer um Romeu e Julieta adaptado ao Brasil de 64...
Mas nessa confusão, o Renato vai para o exílio e casa-se com outra mulher, a Jimena, que na lógica tem absolutamente tudo a ver com o Renato, as mesmas ideias e ideais, com disponibilidade emocional, com tudo certinho, um feito para o outro... Mas o Renato gosta é da Alice...
Daí vem minha análise sobre essa coisa de gostar...E não faço nenhuma análise original, mas ainda assim, fico pensando nisso.
Elenco, eita gente bonita!
Como é em vão tentar achar lógica e sentido nessa coisa de gostar.  A gente gosta de quem gosta, sem ter uma explicação, uma razão fácil de explicar. Talvez seja um jeito que a pessoa tem que nos faz sentir bem, ou uma segurança que nos passa e nos dá força, talvez uma teimosia que nos dê vontade de desafiar, sei lá. A gente gosta de quem gosta, repito.
E acredito sim que, racionalmente, por achar que não vale a pena, conseguimos nos afastar de alguém que amamos, muitas vezes tem que ser. Mas o que não dá, nunquinha nessa vida, é passar a amar por razões lógicas, sem ser simplesmente do fundo do coração. E vendo a trama, onde a Jimena tenta sem parar fazer com que o marido a ame, esses meus pensamentos ficam ainda mais fortes. Ela se esforça, pede, implora, explica e com tudo isso só o afasta...geralmente é assim... quando uma pessoa chega ao ponto de explicar ao outro as várias razões pelas quais merece ser amada, geralmente é quando a relação chegou ao final e a pessoa que ainda ama está tentando segurar aquilo que já foi...
Lutar pelo amor é um conceito errado, não há luta possível, ou alguém nos ama, ou nada!É pôr a viola no saco e ir cantar para outra freguesia! Certo?

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Conexões de amizade...

De tudo que a vida tem de bom, praia, montanha, cidades lindas, boa comida, paisagens de tirar o fôlego, de tudo isso, de todas as coisas boas, aquilo que eu mais gosto é de gente, de seres humanos.
Gente, pessoas, das mais normais possíveis. Gosto de as conhecer, entrar em outros mundos...
E quando calha dessa gente, dessas pessoas serem a coisa mais legal do mundo, quando a gente sente que tem tanto para partilhar, quando olho nos olhos dessas pessoas, dessa gente e vejo ali tanta bondade, tanta simpatia... e pá... é do melhor que há.
Não sei se é por estar sempre aberta às novas pessoas, não sei se é simplesmente sorte, mas nesses 44 anos tenho sido muitas vezes brindada com novas amizades e como sou esperta,vou somando os amigos, vou espremendo um a um no meu coração porque vale a pena colecioná-los todos!
E ter amigos não é só alegria, muitas vezes tem a dor da separação e da saudade, mas vale sempre muito!
Como na canção de outro mineiro:

"São só dois lados
Da mesma viagem    
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também de despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida"
Adorei estar com vocês!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Planos que a gente faz...

Ontem o J. me mostrou um comercial da Campofrío, uma marca de carnes frias (frios) espanhola. A propaganda era era muito bonita e deu-me uma saudade imensa de estar em algum lugar na Espanha... matar saudades. "Vontade de Espanha" , como eu costumo dizer.
Pensei " porque não largo tudo e vou passar uns três dias em Madrid... sozinha...andar pelas ruas, comer bocadillos..." , não seria nada de fora do comum... mas vou deixando a ideia para qualquer outro dia... afinal seria uma logística enorme, afinal pareceria uma tonta andando daqui pra lá, de lá pra cá.
Depois, em tom de consolo, digo a mim mesma : " quando as crianças crescerem e eu não seja mais tão necessária, eu me mudo para Ayamonte...fico lá quietinha envelhecendo até morrer...". Daí penso na minha sogra, e na tragédia que seria se ela nos deixasse e fosse envelhecer sozinha na Espanha...Daí penso que não teria coragem... E também iria querer estar perto dos meus netos e ser útil para aqueles que eu amo...Viver sozinha pra quê?
Assim, se tudo correr bem, acho que nunca mais vou ter um tempo mesmo só para mim...
Portanto, os planos que a gente faz são meio que apenas sonhos, resultados de um dia atribulado, em que nos apetece alguma solidão...mas depois vemos que só mesmo em filme uma pessoa joga tudo para cima e vai viver por aí...Também não posso reclamar muito, consigo uma vez por ano por meus pezinhos nessa terra tão amada...é o que há.
Não posso reclamar, mas não deixo de sonhar!

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Bodas de Cristal...

Depois de mais de 17 anos vivendo com um matemático cético fui deixando cada vez mais de acreditar em superstições, fé, coincidências...Bem, se calhar não é deixar de acreditar, mas deixar de pensar...
Mas, mesmo que não haja destino, não consigo evitar de pensar nas voltas dessa vida para chegar aqui, onde estou...
RaquelPinaDesignIllustration/
Quando penso a maneira que deixei tudo para trás para ir para os EUA passar um ano, faz muito pouco sentido. Quando decido ir para o programa do AU PAIR in América e sou escolhida por uma família justamente em Princeton, quando havia famílias pelos EUA inteiro...Isso tudo me intriga.
Alguma outra família qualquer, de qualquer lado do mundo poderia ter me escolhido... e daí?
E daí não haveria Jorge, nem Pipa, nem Gui, nem Elza, nem Doutor, nem Xana, nem Inês, nem Pedro, nem Sílvia, nem Ayamonte, nem Tejo, nem Escolar Editora, nem escola de música, nem a Escola das Crianças, nem Candeia, nem nada...e nem toda a gente que é parte da minha vida, tal qual ela é há mais de 15 anos...
Se a chata da Diana com seus filhos igualmente chatos e super mal educados não me tivessem escolhido, sei lá onde estaria hoje, estranho, não é?
Destino? Coincidência?
Sei lá.
Sei que não queria que nada tivesse sido diferente, mesmo a vida estando longe da perfeição, ela é bem boa e é a vida que eu escolhi e que gosto. Só peço que ela abrande um pouco, porque está passando muito rápido!
15 anos do dia que assinamos os papéis e começamos essa jornada, essa família essa vida!



sábado, 30 de setembro de 2017

Dress a girl around the world 2!

Já tinha mostrado aqui a ideia dessa iniciativa...
Há uns dias me enchi de coragem e costurei mais dois vestidinhos...
Espero que deixem duas meninas contentes!